Desencantei Bazar Feminino

0
Fotos: divulgação Desencantei

Aos 24 anos, Isabelle Dall’Agnol é criadora de um grupo no Facebook que já conta com mais de 137 mil membros.

O Desencantei Bazar Feminino – grupo no Facebook voltado para a venda e troca de peças e acessórios seminovos – nasceu quando, aos 19 anos, Isabelle Carolyne da Silva Dall’Agnol enfrentou uma crise financeira. Na época a empreendedora vendia carros e gastava mais do que ganhava, além de não ter nada na reserva do banco. O momento era de desespero, e a ideia veio de algo que acontecia naturalmente no dia a dia dela. “Eu tinha muita facilidade para vender coisas que eu estava usando. Se eu tinha um lenço no pescoço, alguma menina já perguntava onde eu havia comprado e eu acabava vendendo”. Isabelle decidiu juntar todas as peças e acessórios que estavam parados em seu guarda-roupas para vender.

Isabelle Dall’Agnol – criadora e dona do Desencantei

No começo Isabelle negociava com as colegas da faculdade, e quando percebeu que a ideia estava realmente dando certo, quis tornar o processo mais rápido e prático. “Criei o grupo no Facebook em 2011, o ‘Bazar Feminino’, adicionei minhas amigas, expliquei como funcionaria, tirei fotos, coloquei os preços e ‘UAU!’. Em dez dias o grupo tinha 1.500 usuárias postando fotos dos seus ‘desencantos’ e outras se encantando por aquilo que estava lá jogadinho no fundo do armário”, comenta. Atualmente, o grupo no Facebook conta com mais de 137 mil membros, é exclusivo a convidados, 90% dos membros são mulheres e, desde 20 de junho de 2016, o Desencantei é a única fonte de renda de Isabelle.

A experiência com os negócios é de longa data. A empreendedora conta que trabalhou com a mãe desde os 14 anos, e foi assim que começou seu aprendizado sobre atendimento, vendas, compras e até contabilidade. Aos 16 anos já trabalhava com carteira assinada e fora da empresa da família. “Fui aprendendo a ser subordinada, trabalhar minha carga horária, mas eu nunca me adaptei com esse negócio de chegar às oito horas da manhã e ficar lá só cumprindo horário, eu sempre quis ganhar por produtividade”.

Isabelle comenta que, além da experiência na prática, também se considera muito curiosa e esperta para aprender. “Sou uma leitora voraz, leio muito, sou curiosa, pergunto tudo que posso para todas as pessoas que me cercam. Se eu visito um empresário de sucesso, não saio de uma reunião sem ter aprendido algo com ele”. Quando perguntada sobre o significado do Desencantei hoje, ela diz que não imaginava que o grupo se tornaria uma ferramenta de marketing tão poderosa. “É mais do que minha empresa, meu negócio. Ele tem a minha cara, eu olho para a minha logomarca e me enxergo. O Desencantei é uma construção em desenvolvimento, algo que vou tornar muito grande!”.

O mais legal de toda essa história é que o crescimento do negócio aconteceu de forma tão natural que a empresária nem havia se dado conta. “Nunca investi em mídias, a não ser no próprio Facebook. Uma amiga que fez bons negócios indica para a outra e assim vai crescendo”, comenta. Outro fator interessante é a questão da sustentabilidade do bazar. “A sustentabilidade é importante em todos os fatores, inclusive na hora de escolher qual roupa vamos comprar. A produção desenfreada do ‘fast fashion’ influencia até o meio ambiente. Se a gente não reutilizar roupas e calçados, não tornar esse segmento sustentável, para onde vão todos esses produtos?”, questiona.

No quesito dificuldade, a empreendedora explica que não ter um exemplo prático para se espelhar gerou preocupação, mas que trabalhar o emocional foi a parte mais complicada. “Eu sofri muitos dias e noites por não ter maturidade em relação a receber críticas. Quando alguém falava algo negativo do Desencantei, eu entendia como se tivessem falado mal de mim, da Isabelle”.

O conselho de Isabelle para quem quer abrir um negócio é, em primeiro lugar, escolher algo que inspire paixão. Segundo ela, também é necessário ter consciência de que o empreendedor trabalha mais do que um funcionário. “Se você quer apenas ser dono do seu tempo ou ficar rico rapidamente, abrir um negócio pode ser decepcionante”, comenta. A última dica da empreendedora é: “se você atendeu aos dois primeiros itens, eu recomendo fortemente a tirar a ideia do papel e começar a agir!”.

“Empreender é desafiador e motivador ao mesmo tempo. Eu nunca fui tão feliz no trabalho quanto hoje e tenho certeza de que o mercado tem muito espaço para pessoas criativas, motivadas e que queiram fazer a diferença”. Para finalizar, Isabelle deixou uma boa indicação de leitura inspiradora, o livro Geração de Valor, do Flavio Augusto da Silva.

 

Sem comentários